sexta-feira, setembro 26, 2008
 
:: A calça

Já faz um tempinho que eu achei A calça jeans que orna comigo. É um modelo da Colcci, justo mas nem tanto, que faz a mágica de me deixar mais alta e mais magra, e custa um preço ok. Então uso sempre, e quando ela fica estropiada além da conta, eu vou lá e compro outra igual.

 

Pois bem. Fui comprar uma antes de viajar. Achei o modelo, num jeans escuro bem bonito, mas a dita tinha um mar de lantejoulas na bunda - a Colcci tem essa mania idiota de fazer firula, não entendo. Enfim. As lantejoulas são pretas, e isso naquele momento não pareceu grave, no tecido escuro a lantejoula preta some e pronto. Comprei.

 

E hoje fui passear de calça nova. E, dando uma espiadinha no reflexo de uma vitrine (quem mulher resiste a olhar a própria bunda imagem nas vitrines de vez em quando?), notei. Um brilho esquisito na retaguarda. Pontos de luz, que apareciam e sumiam conforme eu andava. Um pipocar de flashes, praticamente. O dia hoje está bem ensolarado, de modo que as minhas discretas lantejoulas negras estavam refletindo raios luminosos pra todos os lados! Às 10 da manhã! Percebem a gravidade da coisa? Estou andando toda fina em Paris, empurrando um carrinho de bebê, enquanto minha bunda pisca para os passantes! Nada pode ser mais insinuante, mais vulgar, mais loira-do-tchan do que uma bunda que pisca. Não pode.


A sorte é que aqui ninguém olha. Pode sair pelada com uma coroa de margaridas na cabeça, que ninguém olha. Ou melhor, olham pras margaridas, porque o povo daqui gosta de uma flor. Pra bunda, neca. Só se for brasileiro. Ou italiano. E nesse caso, olhariam pra bunda que pisca, bunda que não pisca, bunda que rebola, que não rebola, que treme, que não treme…