quinta-feira, agosto 26, 2004
 
Amore,

Um certo dia, pensei que o blog ia ser um lugar para as nossas cartas. Porque é disso que eu gosto mesmo. Mas virtual, jamais. Gosto do charme de pegar papéis bonitos, canetas-de-cores-da-sorte, e escrever à meia-luz, ouvindo um som inspirador.

Uma coisa não aconteceu. A outra tampouco. E isso acabou fazendo com que eu me distanciasse de você. Não me agrada perder "meu amor de carnaval". Mas tenho tido dificuldade para voltar. Porque estou bem no meu mundo. E tem sido coisa de mundo interno, de prazeres pequenos e específicos.

Quando digo "bem" não quero dizer exatamente "feliz". Não quero dizer completa. Bem é bem dentro mesmo. Tenho respeitado meus dias de luto. O Fellini morreu de maneira trágica e a cena dele morto tem me feito mal à beça. Em flashs. Imagens rápidas. Coisa de fazer chorar, sempre. Coisa de deixar angústia. Coisa de fazer querer cama e família. Tenho falado de trauma na terapia. Descobri que não existe morte no inconsciente. Achei lindo. Vou ver se invisto neste impulso de vida.

Mesmo assim, fui ao show do Ney e do Pedro Luís e a Parede. Segundo o cara que anunciou o show, com o palco escuro: "Ney Matogrosso e Pedro Luis e a Parede e banda!". E banda disse o cidadão. Esbocei um sorriso. Foi um espetáculo, Marcito. Uma energia que me deixou pensando na vida. Em vida. E me surgiu uma vontade enorme de escrever pra você.

Agora estou com pressa. Eu tenho tido muita pressa. Falo que é trabalho, mas acho mesmo que estou correndo pra encontrar mais vida. Penso que falar contigo pode ser uma forma de não correr e, mesmo assim, descobrir que há força e carinho. Caminhos.

Adoro você, querido.




 
:: Clímax

No show do Djavan as menininhas piraram quando ele pegava na mão de uma delas. Piraram quando ele cantou "Se..." e "Flor de Liz". Eu pirei quando ele estava sozinho no palco, cantando José Miguel Wisnik, "Pérolas aos Poucos", numa calma absoluta. Em seguida, declarou que este disco do Wisnik foi um dos que mais ouviu ano passado. Aí sim eu pirei. Gosto de não estar sintonizada, às vezes. Foi o meu clímax.


 
:: Clima

Amanheceu um dia chuvoso, sem raios de sol. Sinal para que eu ouça Cold Play o dia todo... Sinal para ficar recolhida.


quarta-feira, agosto 25, 2004
 
:: novembrão é nóis no dvd

adivinha quem vem para o brasil em novembro!
adivinha!
adivinha!
primal scream!!!
juntando dinheiro desde já!


terça-feira, agosto 17, 2004
 
:: E vai rolar a festa!

Vou discotecar sábado, dia 21/08!

Estou tensa!

Entrem no link pra ganhar desconto, apareçam por lá e aaaaamem o som!

www.engnovo.com.br/festanagranja


sábado, agosto 07, 2004
 
::Blogada apelativa pra vocês se comoverem e me perdoarem por ter desaparecido.

É, ando sumida mesmo. Estou envergonhadíssima pelos canos que venho dando nos meus amigos, mas peço a compreensão de todos para esse momento meio torto da minha vida.
Tenho passado meus dias num estado de sono patológico, preguiça cavalar e mau humor senil. Não tenho mais idade/paciência/saúde pra tomar trote de adolescente abobado. Bixete forgada é a puta que pariu, tô acordando às 6 e meia da manhã, cacete! Vai jogar tinta no cú da senhora sua mãe! Não, simplesmente não dá, tolerância zero.
E aí tem a tal faculdade de gastronomia. Por enquanto, só aula teórica. Mas me fizeram comprar um uniforme anti-chamas, o que me assustou um pouco. Não sei se estou gostando. Muito caro, muito longe, muito cedo pra mim. Curiosamente, o momento gastronomicamente mais feliz dos meus dias é a hora das rosquinhas na estação de trem, já que não tenho mais dinheiros para comprar comida de gente.
Além disso, tomo choques diariamente nas portas da MTV. Meus pais estão chatos. Meu cachorro idoso anda largando dentes por aí. Essa semana eu tive que assistir TODOS os clipes do Ricky Martin. A vida realmente não está fácil.

Mas...
(só pra provar que eu não sou amarga):
Ando rindo muito ultimamente. E ouvindo coisas sensacionais: Movin' on up, do Primal Scream (levada meio gospel, indicação antiga do Marcio que só agora eu conheci), Fell in love with a boy da Joss Stone (francamente, deixou White Stripes no chinelo...) e Dama Tereza, do Sabotage (samba-rap do mais alto gabarito - e, se não me engano, bem antes do D2). Recomendo.

Enfim, é isso. Vou tentar voltar a aparecer por aqui com freqüência, mas não sei se consigo. Além da falta de tempo, peguei um certo bode de computador. Daqui a pouco passa...



quarta-feira, agosto 04, 2004
 
:: Será?
  • Por que será que gosto tanto de uma música da Madonna? Estou louca por Don't Tell Me. Não consigo parar de ouvir. Estou mergulhada nesta onda pop.
  • Talvez isso seja algo relevante que me faça voltar a escrever.
  • Talvez eu faça isso pelo carinho que tenho pelo Márcio.
  • Vou ficar listando coisas. Estou destreinada. Não consigo pensar organizadamente, como é quase tudo na minha vida.
  • Tenho ouvido muito rap. O Di andou fazendo pesquisas e descobrindo rappers underground. Foda.
  • Descobri uma música do Lynard Skynard do kct. Puxa aí, sangue bom! Chama On The Hunt.
  • Estou num momento de vícios. Vícios em músicas específicas, em pessoas específicas, em programas específicos.
  • Achei outro bom motivo pra voltar a ecsrever. Novos ares. Saca só a agenda: consegui convite pra ver Macy Gray amanhã; sábado convites para Djavan. Semana que vem tem Ná Ozzetti, tem Kleber Albuquerque. Coisa da pesada! Diz aí!
  • Outro lance que garante a minha perspectiva de muitos assuntos: voltei ao vigilantes hoje. E aquilo é a pura fonte de assunto. De inspiração. De besteiras. Mas que funciona, funciona!
  • Resolvi que ouço MESMO The Cure, New Order e Soft Cell. E acho bom pra caralho!
  • Um assunto a parte, pra outra hora: fui numa degustação de charutos e cervejas e estou me sentindo velha. Loucamente velha. Sacanagem.
  • Descobri que simplesmente não estou muito afins de papo ultimamente. Mas continuo tendo a certeza de que gosto à beça das pessoas. ´
  • E é isso que importa!




segunda-feira, agosto 02, 2004
 
:: argumento

tá legal eu aceito o argumento, mas não me altere o no-scrubs tanto assim. olha que a rapaziada está sentindo a falta de uma luiza e de uma marim.

já faz mais de um mês que a mariana não posta. a lu então nem sei.

duas horas da manhã, contrariado espero pelo seu post. vou subindo o morro sem alegria, esperando que amanheça o dia. qual será o paradeiro daquela que até agora não voltou? eu não sei se voltará, ou se ela me abandonou.

vou desencanar do samba e ir toma groselha até as garotas resolverem dar as caras.