segunda-feira, maio 31, 2004
 
:: yoshimi battles the pink robot

para quem não sabe esse é o nome do último disco da genial banda the flaming lips. uma amiga me contou a história: yoshimi é a vocal de uma banda japonesa ainda mais louca que o flaming lips, mas louca mesmo, quase minimalistas. o vocal do flaming lips gostou tanto da garota que resolveu fazer um disco inteiro para ela.

o disco é uma belezura só. começa com a linda "fight test". parece trilha sonora de desenho animado futurista. quem quiser assistir aos clips em flash, entra no site da banda ( http://www.flaminglips.com ). a banda remasterizou o disco para o DVDAudio, um formato que vai revolucionar a já básica esterofonia. São 5 canais de doidera. Quem ouviu fala que é muito foda.

recomendo o disco normal. estou ouvindo agora.


 
:: tarde vazia

O problema nem é tanto o frio.
O problema é que anoitecer às 3 e meia da tarde acaba com o humor de qualquer pessoa.


domingo, maio 30, 2004
 
:: inferno astral e outras amenidades

LEIS DE MURPHY
Autor desconhecido
Se você é daqueles que acha que as coisas só podem piorar... você está muito otimista!"

1.
Se você não perde cabeça quando todos ao redor já perderem, talvez você apenas não esteja entendendo a situação.

2. Lei de Mencken
Para cada problema na humanidade existe uma solução simples e clara, e esta será sempre a solução errada.

3. Lei de Sevareid
A principal causa dos problemas são as soluções.

4. Lei de Thoreau
Se alguém se aproximar de você com a intenção declarada de lhe fazer o bem, é melhor correr para salvar sua vida.

5. Lei de Peer
A solução do problema muda o problema.

6. Lei do Unicórnio
Nunca brinque de pular cancela com um unicórnio.

7. Conjectura de Lyall
Se um cabo de computador tem um lado, então ele tem outro.

8. Observação Fundamento de Lyall
A perna mais importante de uma mesa de três pernas é aquela que está faltando.

9. Lei de "de la Lastra"
Depois do último dos 16 parafusos ser retirado de uma tampa, será decoberto que estava sendo removida a tampa errada.

10. Corolário de "de la Lastra"
Depois que uma tampa for presa por 16 parafusos, será descoberto que uma ferramenta foi esquecida.

11.
As falhas de projeto andam sempre em grupos.

12. Verdade fundamental de Gerrold
É uma boa coisa que o dinheiro não possa comprar a felicidade. Nós não agüentaríamos os comerciais.

13. Pronunciamento de Gerrold
A diferença entre um político e uma lesma é que a lesma deixa um rastro gosmento.

14. Segunda Lei de Mencken
Quando um homem ri das suas desgraças ele perde muito amigos. Eles nunca perdoam a perda desta oportunidade.

15. Terceira Lei de Mencken
Um idealista é aquele que, ao perceber que as rosas cheiram melhor que as ervilhas, conclui que elas dariam uma sopa melhor.

16. Terceira lei de Clarke
Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da mágica.

17. Primeiro postulado do isomorfismo
As coisas que não são iguais à coisa nenhumas são iguais entre si.

18. A lei inaplicável
Lavar o seu carro para fazer chover não funciona.


sexta-feira, maio 28, 2004
 
:: pensando bem...

pensando bem, prefiro não ter naipe nenhum...

http://www.radicais-livres.org/cartas/index.html

e aproveitando o post da mari: "minha barba não tem naipe também".


 
:: Prestobarba Haters

Confesso que ainda tinha minhas dúvidas em relação a esse tal Iorgut. Como bem observou a Lu, ele só servia para atestar a nossa impopularidade, deslocamento e falta de trato social: ok, eu não sou lá muito querida; ok, eu sou uma excluída virtual; ok, eu só tenho cubinhos de gelo porque implorei pra Lu fingir que me acha supercool (ela também ia me dar carinhas e corações, mas o Iorgut farejou a fraude e não deixou...)

Mas isso foi até ontem.
Porque ontem eu encontrei minha razão de ser nessa pocilga: a comunidade BARBA. Descobri que, assim como eu, existem mais a mais mulheres chegadas numa PILOSIDADE FACIAL e que, não satisfeitas, querem gritar para o mundo o seu ódio às Gilletes, Prestobarbas e afins. Além de me juntar à NATA do Iorgut por meio de uma comunidade de extremo bom gosto, formada por mulheres (e alguns homens...) sensíveis, antenadas e conhecedoras do prazer que só uma barba mal feita pode proporcionar (ui), eu ainda posso me divertir na sessão "estudo de caso", onde a mulherada bota um barbudo iorgutiano na roda e as outras opinam sobre o referido.

Diversão pura, mulherada!
Eu recomendo!


 
:: a falta de naipe é minha vida

eu precisando colocar a rádio no ar e venho aqui neste blog. pior: só para ver a cunhada da luiza. pior: ficar pensando se aquele olho é de verdade ou não. sou um naipeless.

não vou começar a relativizar falando que a falta de naipe depende do ponto de vista. sou um cara sem naipe e pronto. exemplo: acabei de gravar no disco a foto da cunhada da luiza e depois de postar isso vou colocar no meu desktop.

se é para trabalhar que seja em grande estilo. ou com falta total de naipe.



quinta-feira, maio 27, 2004
 
:: patrimônio

desde que comecei seriamente a trabalhar (okey, podem rir) tenho construído um bom patrimônio que deixarei para os meus herdeiros (não digo filhos porque a coisa está feia). tenho 1 guitarra com adesivo do snoopy, um baixo com adesivo do snoopy, uma câmera de video com adesivo do snoopy e uma câmera fotografia digital com adesivo do snoopy. tenho um bom fone de ouvido, um computador que dá para editar. tenho um cd mp3 player, raquetes de tênis, câmera super8 (tem gente que gosta) e alguns cd´s (a pirataria é minha fonte cultural principal). um ampliador e uma câmera até que boa de película. tenho um telefone celular que se trocar bateria até que fica bom.

tenho alguns livros interessantes, aproximadamente uns 250 volumes. se não servir para a cabeça, podem vender o papel. tenho caixas em que guardo tranqueiras. tenho caixas que guardo cartas e presentes ganhos.

mas quando eu ir pro beleléu, por favor, alguém arrume o meu quarto.




 
:: bricolantes parte 3

claro que saquei que a banda deveria se chamar "bricolantes". falei para mari se ela queria ser a vocal. como somos dois frustrados por não termos tido banda na nossa adolescência, ficamos felizes pacas. principalmente com o nome, porque se a banda não for boa, pelo menos o nome é.

antes ridiculos felizes do que caras sérios, endinheirados, com profissões decentes e cartões de crédito. deus nos reserva cada uma.


 
:: bricolantes parte 2

perguntei a deus qual seria o nome da banda.

-- diz uma palavra que você gosta.

-- bricolagem. mas nem curto isso para nome de banda. e bricolados parece descolados. meio pretensioso, fala aí deus.

-- márcio, você é muito tosco. quem ama é "amante", quem faz bricolagem é... ?

não curti muito deus me chamando de tosco. ainda mais que ele deceu na estação são joaquim sem falar o nome.


 
:: bricolantes parte 1

antes que inventem asneiras sobre os bricolantes, vou contar como a banda nasceu:

estava eu no metrô, com cara de babaca, sono danado e desalento quando deus apareceu e disse:

-- márcio, você está muito desanimado. você vai montar uma banda!

achei tesão deus perceber a minha cara de bunda dentre muitas outras.


quarta-feira, maio 26, 2004
 
Estudo Importante~

a) No Japão são consumidas poucas gorduras e o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

b) Por outro lado, na França se consomem muitas gorduras e ainda assim, o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

c) Na Índia, se bebe pouco vinho tinto e o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

d) Na Espanha se bebe muito vinho tinto e o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

e) Na Argélia se transa muito pouco e o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

f) No Brasil se transa muito e o índice de ataques cardíacos é menor do que na Inglaterra e nos EUA;

CONCLUSÃO: Beba, coma e transe sem parar, pois o que mata mesmo é falar inglês!
Inclusive eu já parei meu curso!

daqui.


segunda-feira, maio 24, 2004
 
:: O fim dos tempos

Hoje, 24/05 (percebam: 2 + 4 + 5 = 11!), meu irmão afanou um pedaço de bife do meu prato e comeu, alegando falta de ferro no organismo.
(Pra quem não sabe, ele é o vegetariano mais caga-regra que existe.)

Pois é.
Agora só nos resta sentar e esperar o colapso do universo, que deve acontecer nas próximas horas.


 
:: como a racionalidade não convence, vamos aos fatos.

TEORIA DO "11"

O 11 passou a ser um número inquietante.
Podem pensar que é uma casualidade forçada ou simplesmente
uma tontice, mas o que está claro é que há coisas interessantes.
Senão vejam...

1) New York City tem 11 letras.
2) Afeganistão tem 11 letras.
3) "The Pentagon" tem 11 letras.
4) Ramsin Yuseb (Terrorista que atentou contra as torres gêmeas) tem 11 letras.
5) George W. Bush tem 11 letras.

Até aqui, meras coincidências ou casualidades forçadas. (será???)

Agora começa o interessante.....

1) Nova Iorque é o estado Nº 11 dos EUA.
2) O primeiro dos vôos que bateu contra as Torres Gêmeas era o Nº11.
3) O voo Nº11 levava a bordo 92 passageiros, que somando
as cifras dá: 9+2=11.
4) O vôo Nº77, que também bateu contra as Torres, levava a bordo 65 passageiros, que somando dá: 6+5=11.
5) A tragédia teve lugar a 11 de Setembro, ou seja, 11 do 9, que somado dá: 1+1+9=11.
6) A data coincide com o número de emergência norte americano o 911.
Que somado dá: 9+1+1=11.

E agora o inquietante...

1) As vítimas totais que faleceram nos aviões são 254: 2+5+4=11.
2) O dia 11 de Setembro, é o dia número 254 do
ano: 2+5+4=11.
3) A partir do 11 de setembro sobram 111 dias até ao fim de um ano.
4) O famoso Nostradamus (11 letras) profetiza a destruição de Nova Iorque na Centúria número 11 dos seus versos...

Mas o mais chocante de tudo é que se pensarmos nas torres gêmeas,damo-nos conta que tinham a forma de um gigantesco número 11.
E como se não bastasse, o atentado de Madrid aconteceu no dia 11.03.2004, que somado dá: 1+1+3+2+4=11!!

Arrepiante, não acham??

Conclusão: não votem no Maluf!


 
:: queer eyes for straight guy

o programa que passa na sony podia ser qualquer coisa ridicularizando tanto gays quanto heteros, mas me surpreendeu. há nesse programa todo um lance dramático (no sentido de dramaturgia) que me faz assistir até o fim. primeiramente, os 5 personagens (vou chamá-los assim por questões dramaturgicas e não por preconceito) são simpatíssimos. a missão deles é transformar um cara sem graça em um cara "cool". vestem-no, redecoram sua casa, dão conselhos de beleza, de cultura, etc. nesse momento do programa fico pensando até que ponto eles impõe jeitos e trijeitos ou é uma escolha de comum acordo entre queer eyes e o straight guy. mas o fato é que por aquelas horas o cara que vai se tornando cool aceita de bom agrado.

gosto muito das dicas que aparecem durante o programa. são coisas simples -- como escolher mariscos ou como apagar a vela sem derramar a parafina -- que me deixam bobamente maravilhado.

mas acho que tirando todo sarro, todo contraste entre personalidades, o momento dramático maior é a aceitação. não sabemos se as pessoas próximas ao cara cool vão gostar de seu novo jeito cool de ser. fica aquela apreensão. todo mundo fala que as mudanças são boas, mas poucas são aquelas que não resistem a elas. mesmo que a gente, telespectador, ache que o cara ficou bem melhor, nunca sabemos o que as pessoas próximas vão achar. e elas é que importam para o novo cara cool.

e como o final é sempre feliz, meio que virou cool ser feliz.

mesmo que o programa tenha toda essa aurea a favor da sociedade de consumo (ser cool é caríssimo), à moda imposta pelas capitais e que seja fincado dentro de uma cultura de competitismo como é a norte-americana e que dependendo da interpretação do telespectador pode estar ridicularizando os gays, ressalto o lado humano do programa que embora pareça estúpido, para mim é altamente louvável: a vontade do ser humano querer ser melhor para si mesmo e para os que o rodeiam.



domingo, maio 23, 2004
 
:: orkut é foda

desde que fomos apresentados, tinha minhas suspeitas desse orkut. inscrevi-me mais por insistência de amigos do que pela minha curiosidade intrisica. confesso: não via utilidade nenhuma nisso, além da simples brincadeira de saber quem é amigo de quem. pensei que poderiam fazer um orkut de inimigos, seria mais empreendedor. ficaria claro, por exemplo, que o bush tem mais amigos do que a gente imagina.

o fato é que tive que dar a mão a palmatória hoje. estava eu navegando entre os orkutianos quando encontro uma velha amiga da faculdade. foi uma emoção imensa porque eu adoro essa menina: a joana rochadel. desde que ela foi para o chile casar e viver a vida, poucas notícias tive dela. aí eu pensei: se eu encontrei a joana, posso encontrar muito mais gente e vou me surpreender.

a minha primeira desaparecida é uma menina de quem fiz pirraça quando era garoto. é a velha tentativa de pedir desculpas e saber se está gata... hehehehe viva a abundância de naipe do orkut!!!


 
:: O universo tá lhe vendo!

Um amigo (ou dois, nunca sei direito, gêmeos são a maior sacanagem que a natureza já produziu) do meu irmão vem dizendo essa profética frase há anos e eu nunca dei muita bola. Não sei se o sotaque potiguar dele me distraía da profundidade da sentença (ah, sotaques...), não sei se é porque ele sempre diz isso quando está todo mundo bêbado no Dolores às 4 da manhã, não sei se o problema é o fato de eu sempre estar tensa tentando saber se ele é ele ou o outro, e vice-versa. Pois hoje eu finalmente entendi, na pele, o importante aviso que ele está trasmitindo pelo mundo:

Lei do karma existe, funciona e é implacável.

Que bela merda!


 
:: Neologismos

Gosto dessa história das palavras. E outro dia estava muito concentrada ouvindo o novo disco do Carlos Careqa. O cara é muito fera. Compõe que é uma beleza. Neste último disco - Não Sou Filho de Ninguém - tem participações a parcerias que merecem atenção. Tem Zeca Baleiro, Itamar Assumpção, Chico César, Jards Macalé, Edson Cordeiro, Vânia Abreu... Coisa de altíssimo nível mesmo. Fora que tem Toninho Ferragutti em várias músicas. Tem mais. Tem Sylvio Mazzuca Junior no baixo. Arrasador. Agora, uma coisa muito bacana, que me deixou ainda mais atenta foi a abertura do encarte, escrita por Mário Bortolotto. Aí está um cara que eu acho fantástico no palco. Me lembrei de umas peças dele que fui assistir lá no Centro Cultural São Paulo, na mostra Cemitério de Automóveis. Uma turma de primeira. Coisa de louco. Fernanda Dumbra no elenco ajuda. Gosto desta moça. Enfim, Bortolotto diz no encarte do disco de Careqa: "...uma namorada que o havia penabundeado". Genial. Comprem o disco, não percam os shows e, atenção para as peças do Bortolotto também.


 
:: Seguuuuraaaa

Saca só a minha cunhada! Não é mole não!



Agora quero só ver se o ibope disso aqui não sobe!! hahaha


 
:: BZ rouba gatinho...

BZ, que cara dura é essa de roubar o gatinho dos outros? Deixando até a prova do crime???





sábado, maio 22, 2004
 
:: the smiths

the kinks, the jesus and mary chain e pixies são algumas das bandas que só vim a conhecer depois que seus influenciados emplacaram na parada. minha educação musical na infância não foi grande coisa. ouvia música japonesa e rádio fm. acabei formando esse gosto extramamente duvidoso. eu, por exemplo, adoro legião urbana. lembro muito bem da primeira vez que ouvi "o teatro dos vampiros", desde então música fez um outro sentido para mim.

acabei de baixar o dvd com a videografia dos smiths. essa banda é meio emblemática quando penso nas coisas que ouvi. tudo que é chamado de britpop hoje tem um pé em smiths e jesus and mary chain por exemplo. smiths é o tipo de esquema que é muito a minha formação. musicalmente simples (tosco até) e letras mais simples ainda (tão simples que chegam a ser muito sofisticadas).

e assistindo ao dvd me acentua uma idéia que há muito tenho mas que não desenvolvo por falta de base conceitual mesmo: o da sua verdade própria. quando eu ouvi o "teatro dos vampiros" da legião urbana, acho que reconheci muitas pessoas naquela música, reconheci amigos e pessoas muito próximas, queridas. de repente, a música me dizia as minhas próprias verdades. quando vejo a tosqueira dos vídeos dos smiths, vejo também como aqueles caras faziam daquilo sua própria verdade. lembro-me de uma professora me dizer que é muito difícil ser sincero consigo mesmo. e é bem verdade.

quando penso em música, gostaria de pensar em alguma outra palavra. porque na música não me importa somente a melodia, dou valor a letra, a história, a atitude. gostaria de que tivesse uma palavra que envolvesse todos esses requisitos, uma "arte" mais hibrida. não sou músico e sei que a legião urbana não tem nada de bom musicalmente falando. mas sei que lá há muita coisa que eu poderia ter dito, que disse e quero dizer.

"será que você vai saber o quanto penso em você com o meu coração?"

"in my life, why do i give valuable time to people who don?t care if i live or die ?"

eu sou tosco, não tem muito jeito, não.


 
:: sex and the city

nunca fui com a cara desse seriado. lembro-me de 3 ou 4 vezes de tentar assistir pelo muito que me recomendavam. acho que resistia um pouco a imagem de que mulheres pudessem ter atitudes que eu julgava muito masculinas. é um pouco a minha visão platônica da mulher. sempre as vejo como heroínas. não consigo, por exemplo, criar uma personagem mulher vulgar.

há duas semanas consegui assistir a dois episódios. e essa idéia de mulher platônica foi se dissipando. percebi que eu resistia era à idéia de que a mulher fosse humano. mulher é vulgar tanto quanto o homem. sofre tanto quanto o homem. ama tanto quanto o homem. é sensível tanto quanto.

as frases assim soltas faz parecer que eu achava que o homem era mais sensível. mas eu pensava exatamente o contrário. talvez a condição da mulher no geral ainda seja muito ruim no mundo. mas vendo "sex and the city" uma nova perspectiva se abriu para mim: a de criar heróis masculinos. acho que eu não tinha coragem de dar a mulher a maldade ou a perfidia própria do ser humano.

para finalizar, sex and the city e outros seriados, independente do público-alvo ou tema, me lembra uma frase do rubem braga que dizia que nesse mundo cada vez temos mais pessoas experimentadas, mas não por isso sábias. a gente experimenta mais e sabe cada vez menos.


quinta-feira, maio 20, 2004
 
:: Atenção! Atenção!

Pare AGORA tudo o que você estiver fazendo e corra pro Kazaa pra baixar "Love of my life worldwide" da Erykah Badu.



terça-feira, maio 18, 2004
 
::Às vezes dá um pouco de vergonha ser mulher

(Não, esse post não é sobre consultas ginecológicas.)

Homens são de Marte, mulheres são de Vênus, diz o ditado.
Não sei se a culpa é dos planetas, mas é fato de que diferenças muito estranhas separam irremediavelmente homens de mulheres, por mais que a gente lute pelo contrário. A verdade é que nunca vamos conseguir entender o que se passa na cabecinha confusa do sexo oposto.

As diferenças entre homens e mulheres vão além de cromossomos ou órgãos sexuais ou planetas regentes ou comportamentos estranhos tipo assistir mesa redonda. O buraco, nesse caso, é mais em cima.

Estou falando de comida. De doces, mais especificamente.

Homens não se abalam com doces como as mulheres. Eles não se comovem diante de um pudim de claras bem executado. Os olhos deles não brilham diante de uma torta-mousse. Você não vê um homem substituir sexo por chocolate. Cenas como essa que eu vou contar NUNCA aconteceriam com um homem, não mesmo.

Vejam vocês:
Sábado teve baladinha de mulheres na casa de uma amiga. Embalada por vinho tinto e pizzas verdes cheias de folhas, afinal somos mulheres saudáveis.
Aí, por uma questão de MERECIMENTO por sermos tão CONTIDAS (a lógica feminina torna-se bastante burra quando tem açúcar na jogada...), nos permitimos um pequeno mimo: pizza de brigadeiro! Atenção: estamos falando aqui de S.O.S. Pizzas, mulherada. De chocolate cremoso quase escorrendo da caixa. Pizza de chocolate do Viena é brincadeira de criança perto da de brigadeiro da S.O.S. Pizzas - pra ficarmos só em um exemplo.

Os efeitos do chocolate sobre o já suficientemente estranho organismo feminino são fulminantes. Ele faz a gente perder o controle dos nossos atos. Se a mulher matar o marido por causa de chocolate, isso tem que ser considerado condição atenuante. Esqueçam TPM. A verdadeira insanidade temporária é mulher diante de pizza de brigadeiro.

Então, nesse dia da pizza, sofremos uma transmutação. 6 amigas levemente ébrias falando sacanagem viraram 6 loucas vorazes com chocolate até as orelha RASPANDO A CAIXA DE PAPELÃO até a última gota.

É violento, é assustador e é mais forte do que nós. Fúria, cara. Sangue no olho. Saca Dr. Jeckyll e Mr. Hyde? É mais ou menos a mesma coisa. Você perde completamente a compostura nos poucos minutos em que dura a guloseima, e no instante em que ela acaba você recupera o sentido, leva as mão a cabeça (lambuzando ridiculamente os cabelos de chocolate) e diz, Meu Deus!, o que eu foi que eu fiz?, eu me odeio, ME ODEIO!

E aí você liga pra S.O.S. Pizzas e pede outra igual. Porque você já estragou tudo mesmo, e porque você jura, e dessa vez é sério mesmo, que segunda-feira começa a dieta. E aí, meu bem, pizza de brigadeiro nunca mais.


sexta-feira, maio 14, 2004
 
:: Fofocas musicais

Estou fazendo dois cursos bacanérrimos de música. Um deles é com o Zuza Homem de Mello, no Teatro Cultura Artística. Outro com Carlos Rennó, no Instituto Tomie Otake. Fera. De primeiríssima. Neste segundo, é um grande bate-papo informal sobre música. Falamos de Cole Porter e de Marisa Monte. E, além de aprender muito sobre música, composições, melodias, épocas, histórias e tal, você fica bem por dentro das fofocas da música. Rennó é um cara muito bem relacionado no meio e sabe de vários babados. O curso é divertidíssimo além de tudo. Dou risada à beça. E saca só: não vou dar nomes, claro, mas ele contou uma história de um cara - que não parecia muito chegado em sexo - que falou assim uma vez:

"Sexo? Sexo é muito íntimo para fazer com outra pessoa!"

Pronto. Pode rir também.



 
:: 10 MAIS

1) Estou lendo "Servidão Humana", de Somerset Maugham. Foda. Fala, entre outras coisas, sobre a renúncia da própria dignidade por amor.

2) Estou ouvindo muito Lenine, muito Sly and Family Stone, muito Los Amigos Invisibles. E é do caralho! Ouçam.

3) Assisti, no cinema, de tudo. Os últimos: Kill Bill, Diários de Motocicleta, As Bicicletas de Belleville (grafia?).

4) O item 4 é um parenteses do 3. Ganhei hoje a trilha do Kill Bill. E é arrasadora. Eu tenho mania de querer inventar de fazer trilha pra filme... Vê se pode!

5) No DVD: Lucía y el Sexo. Comprado. Junto com trilha e com tudo o que eu tenho direito.



6) E dái fico pensando em como uma pessoa pode fazer um strip tão bem feito. Porra, vc já sacou essa cena do filme? É foda. E a trilha arrebenta. Vai atrás óh: "Yo Marco El Minuto", de Mala Rodríguez.

Essa sou eu hoje. Amanhã é outra história.



 
:: Cena do Dia

Hoje saí pra jantar com uma amiga queridíssima. Do coração mesmo. E então a gente tava conversando e, papo vai papo vem, ela me conta de uma cena do dia:

"Eu tava no elevador hoje. Entra uma mulher e fala pra mim:

- Quinto andar, por favor.
- Quinto... dos infernos?

(hahahaha) Porra, eu lá tenho cara de quem aperta botão de elevador?! É brincadeira!"

E foi assim. E eu fiquei pagando um pau pra ela. Porque é muito bom soltar uns lances desses às vezes. Talvez eu fosse mais leve se fizesse isso, eventualmente. E, olha que maravilha: adeus regime! hahaha


domingo, maio 09, 2004
 
:: Uma dúvida.

Se aquela peste comprida do meu cachorro futuca macumba e come a farofa, a ziquizira vai pra ele ou pro adulto responsável que o acompanhava?


sábado, maio 01, 2004
 
:: música?

cara, eu ficava bobo quando encontrava alguém que tinha um gosto musical parecido com o meu. comecei rock/pop anos 80, depois veio o grounge, depois a mpb, o eletrônico, o jazz e os alternativos e agora o samba e a música popular. pensei que isso me faria encontrar muito mais pessoas para ter esses momentos de bobeiras, mas não aconteceu como previ ou desejei. pensei que eu havia aumentando o meu gosto musical para me aproximar mais dos diferentes tipos de pessoas e pode até ser que tenha sido isso mesmo, mas isso não me aproximou tanto delas.

foi aí que eu percebi que o que eu procurava não eram gêneros, mas leituras. eu estava atrás de pessoas que procuravam os mesmos tipos de verdades que eu buscava. então, o gênero não importa, mas a maneira que as canções nos afetam.

e no final das contas, eu sentia mesmo era falta de pessoas que curtissem o bom e velho rock n roll cantado com desafinos próprios e guitarras distorcidas. que acham que no amor existe furias e medos. e que atitudes amoroso-passionais fodem às vezes, mas estão certas sempre.