quinta-feira, novembro 27, 2003

 
:: PALMAS PARA LUIZA QUE TIROU 10 COM LOUVOR NO TCC

*CLAP-CLAP-CLAP-CLAP-CLAP-CLAP-CLAP--CLAP-CLAP-CLAP-CLAP-CLAP*

(Lu, você é foda! Seus amigos No-Scrubbers estão quase explodindo de tanto orgulho de você!)





 
:: Vingancinha barata...

Esqueci de contar esse fato simbólico, onírico e quase místico que me aconteceu na fatídica noite de domingo:

EU TOMEI UMA BARATADA.

Assim que cheguei na porta do bar encontrei um amigo, e quando fui cumprimentá-lo, PLAFT!, veio essa barata voadora nojentona e meu deu uma bitoca na bochecha.

É óbvio, é EVIDENTE que noite que começa com bitoquinha de barata não pode em hipótese alguma acabar bem. Eu devia ter ido embora na mesma hora pra limpar a cara com Pinho-Sol, mas não, dois minutinhos no banheiro, esfregar a parte conspurcada até tirar sangue e tá tudo certo. Quis ser machona, rústica e não-fresca e deu no que deu, lição aprendida, da próxima vez (toc-toc-toc) dou um piti, faço carinha de donzela e vou-me embora aos gritinhos.

(pensamento estúpido tipicamente feminino que vale como vingancinha íntima:
"pobre mudinho-maluco, podia ter beijado minha boquinha de rubi, mas ficou com gayzice, desviou, bem feito, beijou barata por tabela. Qua-qua-qua.")



segunda-feira, novembro 24, 2003
 
:: DESARMONIA COM O COSMOS, step by step

("It's the end of the world as we know it, BUT I FEEL FINE!!!")

(Mentira.)


1. Tomar um fora irreversível e humilhante.

Encontrei o mudinho-maluco, sem querer, numa balada ontem. Ele apareceu por lá pra dar uma canja com a banda que tava tocando. Dei um tchauzinho de longe e fiquei lá fingindo que estava dançando despreocupada, mas com o coraçãozinho em frangalhos prevendo a tragédia iminente, intuição feminina é uma desgraça.
Aí, no fim do show, ele veio conversar.
Oi, Nossa, você por aqui?, BEIJINHO NO ROSTO (ops!), conversinha vazia, tensão pesadíssima no ar, silêncios, contrangimento, éramos dois adolescentes de 15 anos ali, um espetáculo patético.
Blá-blá-blá.
Bom, tô indo, quer carona? (Hahaha, essa sou eu. E eu nem tenho carro! Cada coisa cretina que a gente fala nessas horas...), Não, valeu, vou dar mais um tempo por aqui, ..., ..., Então tá, tchau, Tchau, BEIJINHO NO ROSTO (ele desviou: ooooops!!! Tá lá uma auto-estima estendida no chão...), Até mais ("até mais"???), fazer cara de lady, virar as costar e sair com o resto da dignidade no bolso.

Não entendo, realmente não entendo o mudinho-maluco.
O que querem os homens, afinal???

(E pensando bem, Mariana, não é legal chamá-lo de mudinho-maluco, apesar de ser a pura verdade. Vai parecer que você é uma garota recalcada sem espírito esportivo. Rever já essa postura quanto à aceitação do fora.)


2. Fazer um TCC em 5 dias e suas implicações

Sexta feira tenho que entregar meu TCC.
Meu TCC praticamente inexiste.
Eu agora tenho insônia, porque obviamente dormir quando se tem um TCC para fazer é um luxo ao qual eu não tenho direito.
Insônia é um fenômeno exclusivamente noturno. Tudo o sono acumulado vem à tona à tarde, mas eu também não posso dormir à tarde, tenho um TCC pra fazer. Então estou vivendo a base de baldes de café. E claro que depois de baldes de café eu não consigo dormir à noite.


3. Se queimar com café fervendo.

Auto-explicativo: eu queimei a mão com café fervendo.
Mas o interessante disso é que eu estou acompanhando o surgimento de uma bolha em tempo real. Se olhar fixamente, posso VER os tecidos da pele esticando.
E dói.
E agora, toda vez que eu olhar pra minha mão, vou lembrar de café, de TCC e de mudinho-maluco, que no fim das contas tem sua parcela de culpa na insônia e consequente falta de destreza que causou a queimadura.


4. Fazer a equação de 1, 2 e 3:

Fora + TCC empacado = insônia
Insônia = sono a tarde
Sono a tarde = café + olheiras + lerdeza de pensamento
Café = insônia + bolhas
Bolhas + olheiras + lerdeza de pensamento = foras, muitos foras
Muitos foras = insônia + blogadas-desabafo
Blogadas-desabafo + lerdeza de pensamento = TCC empacado...

(Continue ad infinitum e teremos o que se chama vulgarmente EFEITO BOLA DE NEVE. É o começo do fim.)


5. Ter um speedy agonizante

Não bastasse eu perder tempo precioso de trabalho TCCístico escrevendo isso aqui, muito pravavelmente terá sido em vão, visto que minha internet está morrendo.
(Se alguém está conseguindo ler, é porque o Cosmos resolveu me dar uma trégua...)


Conclusão:

I'M IN A HIGHWAY TO HELL



obs. 1: o mudinho-maluco é um canalha! Dar uma fora em alguém que está na última semana de TCC é de uma insensibilidade imensa. Decidi: se eu for jubilada a culpa é todinha dele!

obs. 2: aconteceu uma coisa estranha e legal na balada, mas se eu contar todo o tom dramático desse post vai por água abaixo e isso não pode acontecer de jeito nenhum, preciso der credibilidade à minha descida ao inferno. Fica pra próxima.



terça-feira, novembro 18, 2003
 
:: Matrix Reloaded

Estamos naquela famosa cena:
Neo luta com 100 agentes Smith, dando suas voadinhas espetaculosas de vez em quando. Postes são arrancados, bancos arremessados, inimigos voam longe.

Ela, que dormia no sofá, acorda com a música frenética e resolve dar uma espiada pra ver o que acontece.

- Nossa...
- ...
- Ah tá, até parece!
- ...
- Quanta bobagem, hahaha!!!
- Mãe, você tava dormindo até agora, se começar a assistir desse ponto, realmente tudo vai parecer forçado. Então dorme aí e não reclama.
- Vou dormir mesmo, esse filme é ridículo!
- ...
- O cara na maior briga e os óculos dele nem caem!





sexta-feira, novembro 14, 2003
 
:: A menina e o futebol



Parte I

Você aí! Me achou? Eu sou a menina de verde do lado direito!
Eu inventei de ser esportista desde pequena. Fazia treino de basquete e levava muito a sério. Meu professor também me convidou para treinar vôlei, mas eu não fui. Já estava entretida demais com o futebol. E aí está! Eu treinava campo no clube do Mé (ali na Cidade Jardim) com mais 10 amigas e todos esses outros fedelhos que estão aí na foto. E eles davam um baile na gente.

Parte II

Eu não só jogava pra valer como também lia o caderno de esportes e sabia de todos os detalhes a respeito do meu time, corinthiana até a alma! Na sétima série fiz um jornal com as minhas amigas e fui até o clube entrevistar o Viola. Falo daqueeele tempo... Uma fase em que o Marcelinho ainda era um ídolo... Como o mundo dá voltas...

Parte III

Hoje, virei casaca! Isso mesmo! O amor faz cada coisa com a gente... hahaha Quando comecei a namorar fiz um trato muito esperto com o meu gatinho. Já tinha desencanado um pouco do futebol, mas gosto de assistir jogos. E ele não perde um do São Paulo. O trato foi simples: eu via os jogos com ele e ele encarava uma novelinha. hahaha Depois disso, achei melhor logo virar casaca pra, pelo menos, assistir os jogos do MEU time e ter pra quem torcer... hahaha Funciona!


 
:: IML

Outro dia vi um filme de um garoto que trabalhava das 20h às 4h em um necrotério. Foi foda! Hoje, o carro do Di foi guinchado. A mistura desses episódios foi a deixa para que eu lembrasse de uma história daquelas... hahaha Vejam vocês - vocês, os vários visitantes do nosso blog! hahahaha - que um dia eu e a Li, minha irmã, ainda muito pequeninas, com carinha de gêmeas, ou melhor, de meninos gêmeos (hahaha), fomos viajar pro sítio do meu avô com ele e com a vovó. Na volta o carro quebrou! Precisou ser guinchado e só dava pra uma pessoa voltar no guincho. Ok. Um pouco assustador pra nós, pequeñas, porque pintou aquela imaginação de que meu vô voltaria no guincho e a gente ficaria perdida pra sempre naquela estrada. Mas não! Apareceu uma carona: um carro do IML. hahahaha Isso marcou a minha vida. Comecei a morrer naquele momento. Por isso que tenho medo de fantasmas! E não passa, não passa! rs


quarta-feira, novembro 12, 2003
 
:: cinco discos que tocaram pacas no meu walkman


+ pérolas aos poucos _ zé miguel wisnik
+ casino _ casino
+ a rush of blood to the head _ coldplay
+ a procura da batida perfeita _ marcelo d2
+ hail to the thief _ radiohead

e dois que tocaram muito:

+ divine discontent _ sixpence none the richer
+ musicaterapia para dias nublados _ coletanea da mariana



terça-feira, novembro 11, 2003
 
:: O Iluminado II

Ok, resolvi falar.
É muito difícil pra mim, fugi dessa lembrança por anos a fio, mas acho que agora é hora de encarar.

EU ME CAGO DE MEDO D'O ILUMINADO.

Eu e a Lu, naquela noite fatídica, em idos de 1993 (chutei, mas acho que foi por aí mesmo), resolvemos que éramos duas MULHERES corajosas, super descoladas e super cultas, então decidimos assistir um clássico, do Kubrick ainda por cima, quanta sofisticação.

E rolou o que ela já contou, com só uma correção: a gente começou a ver no escuro, mas em vinte minutos de filme já tínhamos acendido TODAS as luzes da casa. Claro que não adiantou nada, o cagaço foi fulminante mesmo assim, eu até hoje tenho pesadelos com aquele cara focinho de porco, arrepios só de falar nele...

Bom, aí o filme acabou.
E apelamos pra famosa dobradinha pizza/coca-cola pra relaxar um pouco.

Só que a coca ficava na despensa, e a despensa ficava no fundo do quintal, do lado de um banheiro sinistro.
Quem viu o filme sabe que não existe a MENOR CHANCE de se passar por um banheiro, ainda mais no fundo do quintal, ainda mais com um box meio fosco que servia de depósito para tranqueiras GRANDES e ESTRANHAS que formavam umas sombras altamente suspeitas. Enfim: as duas ridículas demoraram uns 15 minutos pra tomar coragem, e aí fomos histéricas e correndo e sem olhar pros lados e eu nunca atravessei o quintal tão rápido quanto naquele dia.

Enfim. Medo em estado puro. Desse dia em diante a Lu e eu nunca mais fomos as mesmas pivetas felizes andando despreocupadas pela vida. Algo se quebrou dentro de nós.

Mas nós crescemos, agora somos de fato mulheres corajosas, super descoladas e super cultas, e a Luiza continua sendo minha companheira de aventuras! Por isso, garota, prepara a pipoca que tá na hora da gente exorcizar um trauma de infância!



 
:: O Iluminado

O teste dos filmes é pra isso: ver se tenho estômago para rever O Iluminado. A primeira vez - e única - que assisti O Iluminado me marcou demais. Acho que não poderia ter sido mais medonha. A BZ sabe disso. Assistimos juntas. Duas fedelhas, tentando se fazer de adultas, bem resolvidas, sem medo da vida. hahaha Doce ilusão... Eu fui pra casa dela, um dia à noite. Estávamos sozinhas. A sala do vídeo era algo tenebroso. Imagine. Uma sala, escura - porque as cabeçudas apagaram todas as luzes da casa - rodeada por janelas enormes de vidro. Atente-se para o detalhe: estava ventando e no jardim da casa tem várias árvores que mexiam e faziam aquelas sombras e aqueles barulhos super lights. Não preciso comentar mais nada, não? Agora você pode entender porque tenho de passar por um teste de fogo para rever o filme...


 
:: Mããããããããããe!!!!

É aquela velha história... Mãe não pode passar. Outro dia escrevi um texto sobre isso, qualquer hora publico aqui. Enquanto isso, fiquem com o episódio patético do último domingo.

Estou com uma mania de assistir filmes tensos, de suspense, meio terror, ou aqueles barra pesadas pra fazer um grande teste, mas essa é outra história, pra um outro post. Enfim, nesse final de semana fiz um intensivão de 4 filmes na casa do Di. O problema foi o que assistimos no domingo, 24h. Porque depois eu ia ter de voltar pra minha casa e dormir sozinha no meu quarto. Rídiculo. Fiquei tão apavorada tão medrosa, escandalizada que voltei pra casa e fui dormir..... Na cama com a mama! hahahaha Um bebê de 22 anos, altamente dependente... Ainda bem que eu tenho meu terapeuta!!!


 
:: fotolino

a pedido da mari e com agredecimentos ao fudge.



segunda-feira, novembro 10, 2003
 
:: Um dia depois....

Dia seguinte, a mãe da menina que fez a festa foi se desculpar com a vizinha de muro. E olha a resposta:

- Ah! Eles têm mais é que se divertir mesmo. Além do que o som estava ótimo! Até eu dancei na sala!

hahaha

Acho que devo dobrar meu cachê, não?


 
:: Através da parede

Mico. Mico quase absoluto. Dia desses fui fazer som na festa de uma menina com o Di. Lance profissional mesmo, grana e tudo! haha A dona da festa fez uma lista de músicas e grupos que deveriam tocar. Tocou tudo e muito mais. Seguindo o estilo, claro. Fato é que chegamos na casa da menina, uma puta casa linda, de muito bom gosto - e fomos até o lugar do som. Acredita que o som ficava numa sala separada da pista de dança? Rídiculo. Fiquei das 21h da noite até altas da madruga (6h!!!) fazendo som na balada, fechada entre quatro paredes. Foi uma experiência e tanto. Daquelas que a gente coloca no curriculo com o maior orgulho. haha


sábado, novembro 08, 2003
 
:: casino _ faixa a faixa comentado

1. dia de festa > o ep começa com uma melancolia devastadora. a voz de cecília distoricida para logo depois em "eu quiiiiiiis dizer" dilacerante. no final, a música muda o tom e se torna um samba com bateria descompassada como se acordasse de uma noite ruim: " acordei, estava passando por aqui, na verdade eu nem dormi".

2. na pista > canção linda sobre um triângulo amoroso numa festa. "mas quem vai levar a moça para casa", "irresponsável pelo que cativa".

3. ponte > a minha introdução a banda. climática e simples, denso. mesma sensação quando leio drummond. melancólica, mas a um passo do arrebatamento. cecília ótima. a letra é genial: "faz uma semana e meia que marcamos compromisso", "largar o meu trabalho, ser contra-produtiva". pianinho cadenciado. a minha favorita do ep.

4. samba dada > uma bossa nova com guitarra la radiohead. "traz da rua um doce que eu tomo conta da casa".

5. casa de praia (remix) > a minha segunda favorita do ep. uma caixa forte, cecília cantando sorrindo, parece. "será que vc não quer conversar?" verso simples que tem em si uma vontade feliz pelo outro e uma circunstância de coisa rompida.

ouçam.


quinta-feira, novembro 06, 2003
 
:: um dia
(ao som de casino, sim!)

fui assistir ao matrix revolutions. o desfecho da série me decepcionou. havia dito que dependendo do desfecho, seria uma das melhores trilogias que assisti. pois não é. esperava bem mais do filme, como espectador não foi ruim assistir a continuação e fim, mas como apreciador de todo o mundo criado, confesso que fiquei decepcionado.

cabisbaixo, fui ao centro para minha segunda missão do dia: encontrar o ep do casino. havia tirado 20 reais do banco e estava disposto a gastar essa quantia. andei um bocado pelo centro, galerias e 24 de maio. e posso dizer: eu me amo! eu encontrei na velvet discos! e a minha felicidade se tornou maior pq paguei só 5 pilas!!! uhu!!! voltei tao satisfeito pra casa q não parava de sorrir. passei por um mercado e comprei aspargos. acho que nunca comi isso, mas resolvi experimentar!

agora to procurando alguma receita na internet e ouvindo o ep. um dia feliz.



terça-feira, novembro 04, 2003
 
:: the matrix

vejam isso.



domingo, novembro 02, 2003
 
:: não fode




sábado, novembro 01, 2003
 
:: para quem me ama

eu quero esse:



pode ser usado.