terça-feira, setembro 14, 2004
 
:: caracas !!!

saiu a lista das atrações do tim festival!!! e a pj harvey vem para o brasil !!! caracas!!!

DIA 5

Palco Club
Chico Pinheiro / Brad Melhdau / Nancy Wilson

Palco Stage
KID 606 / Kraftwerk

Palco Lab
F.U.R.T.O. / Kinky / Panjabi MC

Palco After-Hours
Soulwax / Cansei de Ser Sexy / 2 Many DJ´s


DIA 6

Palco Club
Mahogany Trio / David Sanchez / Branford Marsalis

Palco Stage
Picassos Falsos / P.J. Harvey / Primal Scream

Palco Lab
Bebel Gilberto

Palco After-Hours
De Leve / DigitalDubs / Bumba beat / stone love

DIA 7

Palco Club
Dave Holland / Birelli Lagrene / Art Van Dame

Palco Stage
A Night with Brian Wilson

Palco Lab
Grenade / The Libertines

Palco After-Hours
Pet Shop Boys / Mau Mau

meninas, sei que é pedir muito nessa vida corrida, mas vamos comigo!!! por favor!!!


sexta-feira, setembro 10, 2004
 
:: Preciso confessar:

Gisele Bündchen sambando na propaganda de sandálias me fez sentir muito melhor comigo mesma.


quinta-feira, setembro 09, 2004
 
:: Cena

Neste final de semana fui para o sítio do Di e esqueci meus biquinis. Vê se pode. Acabei de maiô da sogra. Uma cena.


 
:: Sintonia sonora

Hoje tem show do Kléber Albuquerque, mas estarei ao som de Rita Ribeiro.

O documentário sobre crianças e adolescentes autistas e psicóticos que fiz na Rádio Cultura, com a minha mestre Marilu Cabañas, foi para a final do Prêmio Caixa de Jornalismo Social. Foda. Estou feliz à beça. Hoje é a cerimônia de entrega dos prêmios e estarei lá ao som de Rita Ribeiro...Delícia pura, em dose dupla.


 
:: Reserva de Tempo

Engraçado. Hoje que você se retira eu reservo tempo. Tempo de acordar tarde, descansar, tomar banho demorado, lavar a sola dos pés com esponja, tomar suco no café da manhã, sentada no sofá, ao sol, lendo jornal. Justo hoje, reservei tempo para não fazer nada. Ficar olhando o dia passar e não fazer nada, absolutamente. E, olha só, hoje sentei no computador por alguns momentos e vim te ler, apenas. E, para ouvir: Péricles Cavalcanti. Decidi que gosto de ler o parachutes ao som desta voz doce, destas letras singelas, delicadas... E ressurgiu aquela vontade louca de gravar mpb pra você. Mas, ainda há medo. E hoje guardei tempo pra sentir isto também. Já é quase noite e nada aconteceu...


quarta-feira, setembro 08, 2004
 
:: retirada

queridas,

vou dar uma pausa por aqui. ando com pouca empolgação, triste até. estou dando uma pausa também no parachutes. há muito coisa por lá para vocês também, caso não tenham percebido.

sei que andam com a vida corridíssima também, mas espero que como eu, vocês voltem.

a gente se recolhe para não ser ferido. mas também para não criar preocupação. vou me sair bem, acreditem. me entrego para fazer charme, sempre volto.

espero que os leitores não nos abandonem tanto. passem por aqui de vez em quando. pelo counter vi que a visitação caiu bastante, mas há os que resistem! agradeço.

do mais, amo muito vocês duas. lamento muito não poder demonstrar direito o quanto. se é necessário ser mais preciso, amo o tanto de estrelinhas no céu que puderem enxergar.

beijos!

márcio



sábado, setembro 04, 2004
 
:: momento filosófico

assistia ao provocações da tv cultura que falava de poesia concreta quando ouvi décio pignatari dizer algo que me incomodou deveras. sou admirador dos concretistas apesar de não ter o tino e o amor pelo trabalho.

pignatari disse que se queremos entender o oriente devemos abolir o verbo "ser" das nossas cabeças. o problema ontológico praticamente não existe oriente porque não há a definição do "ser" nas línguas orientais. e todos os problemas (assim como os avanços tecnólgicos até a falta de saído do pós-modernismo) vem dessa raiz greco-romana do verbo ser.

fiquei pensando. o "estar" por exemplo se dilui no tempo e espaço. o "ser" tem alguma dificuldade. os verbos de ação são o que dramaticamente e talvez pra"x"icamente constoem o mundo.

será que "somos" problemas conceituais?



quinta-feira, setembro 02, 2004
 
:: sebos

estou tentando economizar algum dinheiro. alguns centavos aqui e ali, almoço feito em casa, caminhada até o trabalho, filmes de tv e promoções de supermercado. mas não pude deixar de ir a livraria. para não pesar tanto, passei no sebo do messias. se você tiver um pouco de paciência, encontra coisas ótimas com preços módicos. o pó não faz bem para o meu nariz, mas as histórias pedem para ser lidas. acabei fazendo boas compras.

tenho alguns critérios quando vou ao sebo. normalmente estou a procura de algum livro já com algumas edições. dificilmente acha-se livros quase novos a preços convidativos. nos livros antigos, procuro por alguma edição bem cuidada para que não esfarele na minha mão. capa dura é uma boa. além disso o fator preço versus raridade também é importante.

o primeiro livro que peguei foi "dias e noites de amor e de guerra" do eduardo galeano, um dos cronitas prediletos ao lado de rubem braga. é uma edição de bolso ainda muito nova que consegui por 6 reais. o formato é muito atrativo pela praticidade e pensei em como seria bom se o "caderno" fosse assim. me diverti deveras durante uma primeira vista que dei no livro quando estava no ônibus.

o outro livro foi "a casa da paixão/ sala de armas" da nelida piñon. sou totalmente ignorante sobre os textos dela. o que conheço vem de antologias. a edição é em capa dura do "circulo do livro". a diagramação não é boa, mas o preço foi: 7 reais. comprei pensando na tereza que gosta muito dela se não me engano.

na outra estante peguei dois livros de uma mesma autora. "jazz" e "amada" de toni morrison. sempre fui curioso por essa escritora americana. em uma entrevista achei-a uma mulher forte. tenho boas perspectivas de leitura.

encontrei essa edição da abril do "santuário" do faulkner, um escritor que estou descobrindo agora. fiquei feliz porque é um exemplar em boas condições, capa dura e só um pouco amarelada. vou guardá-lo para as férias, preciso acabar "o som e a furia" antes. aliás recomendo.

e finalmente "o deus das pequenas coisas" de arundhati roy. desde seu lançamento esse livro me despertou curiosidade. o título já me é encantador. por seu um título relativamente novo o preço não foi tão bom. paguei metado do que pagaria numa livraria, mas ultimamente estou com coceirinha por autores novos, vivos, que se possa acompanhar a carreira, sabe? esse é o primeiro livro dessa indiana e pela olhadela me parece bom.

e essas foram as minhas aquisições do mês. tenho mtos livros na estante que esperam para serem lidos e essas compras só aumentam a fila. mas tê-los a mão me alenta um pouco esses tempos tão difíceis. se alguém já leu algum desses, avise-me que podemos conversar sobre.