sexta-feira, fevereiro 22, 2008
 
Uma das coisas mais bonitinhas do mundo é a Alice comendo sopa.

Eu esperava o caos. Tinha me preparado pra boca trancada, carinha de nojo, sopa cuspida. E ela simplesmente amou! Abre uma boca que mal cabe na cara dela, resmunga de ansiedade entre as colheradas e ainda mastiga, sabe-se lá como. E ri de boca cheia e fala da-da-da e fica coberta de sopa até as orelhas, um belo espetáculo.

Mas aí eu notei uma coisa: ela sempre come vorazmente por 5 minutos e depois começa a espirrar e fungar e coçar o rosto. Eu achei que era alergia a algum alimento, até o dia em que ela espirrou e, no impulso, ejetou pelo nariz um teco de papa verde. Aí eu entendi: eu, jeitosa que sou, estava enfiando litros de sopa dentro do nariz dela a cada colherada.

Não bastasse isso, a coitadinha ainda tava levando a injusta fama de melequenta por conta das caquinhas que ficavam grudadas no nariz. Eu olhava e pensava: meu deus, essa menina não era caquenta assim, que houve, será que é gripe?, enquanto ia xuxando o lencinho nariz adentro, pra tentar pescar o resto da sujeira. Humilhante, pobrezinha. E tudo culpa da falta de perícia da mamãe aqui.

Aí fiquei pensando: será que comida intra-nasal é uma ocorrência comum nos filhos de primeira viagem?

Será que mais gente já foi vítima da descoordenação (dos outros ou própria) e levou uma fama injusta por causa de coisas estranhas grudadas no nariz?

Será que a Amy é primeira filha e ainda mora com a mãe???

Hein? Pó branco? Mas isso é mingau de aveia, gente!