domingo, julho 29, 2007
 
:: alice

2.

do seu nariz, escorre o universo.

os dedos ainda não servem para contar.
por eles as temperaturas anunciam um colapso.
alice atravessa as paredes,
em suas falangetas as rachaduras são ensaios.

3.

alice, como fazer rabo de cavalo
com tão poucos cabelos?

é preciso antes, o cavalo.