sábado, setembro 04, 2004
 
:: momento filosófico

assistia ao provocações da tv cultura que falava de poesia concreta quando ouvi décio pignatari dizer algo que me incomodou deveras. sou admirador dos concretistas apesar de não ter o tino e o amor pelo trabalho.

pignatari disse que se queremos entender o oriente devemos abolir o verbo "ser" das nossas cabeças. o problema ontológico praticamente não existe oriente porque não há a definição do "ser" nas línguas orientais. e todos os problemas (assim como os avanços tecnólgicos até a falta de saído do pós-modernismo) vem dessa raiz greco-romana do verbo ser.

fiquei pensando. o "estar" por exemplo se dilui no tempo e espaço. o "ser" tem alguma dificuldade. os verbos de ação são o que dramaticamente e talvez pra"x"icamente constoem o mundo.

será que "somos" problemas conceituais?