domingo, julho 18, 2004
 
:: wonderfalls

está passando na fox, quinta-feira às 21hs, a ótima série "wonderfalls". o enredo é meio surreal: uma mulher "loser" que trabalha em niagara falls como vendedora do nada começa a falar com objetos inanimados que lhe invocam uma missão (normalmente para ajudar alguém). não tem nada a ver com destino como é sugerido nas chamadas. é uma heroína que tem realizar sua missão. até aí tudo bem. o engraçado da série, no entanto, é que a nossa heroína é uma anti-heroína: chata, ranzinza e de índole duvidosa. aparentemente ela só quer se livrar das vozes e não realizar a missão.

acho que já falei de uma outra série chamada "dead like me" que tem outra personagem interessantíssima. o que gosto nessas séries, apesar do tom adolescente, é o humor duvidoso e uma certa subversão na "saga do herói". no último episódio de "wonderfalls", jaye, a protagonista, deveria fazer com que uma jornalista investigativa escrevesse uma matéria sobre uma geração perdida -- supostamente jaye é um símbolo dessa geração -- e a tal jornalista simplesmente se acomoda como jaye o faz na vida. ao invés de jaye fazer acontecer algo que faça a tal jornalista escrever a matéria e assim prosseguir no jornal, a nossa protagonista simplesmente escreve a matéria e envia. e todos cinicamente continuam suas vidas.

assim parece uma dramaturgia simplória. mas assistam à reprise para ver que nós é que temos a mania de saga do herói. a brincadeira está em frustrar expectativas de forma muito engraçada.

tenho uma queda por personagens assim. podem não vencer na vida, mas se aproximam de nós pela semelhança e pelas imperfeições.

e ela conversando com objetos é muito hilário.