quarta-feira, junho 16, 2004
 
:: pixinguinha

talvez o choro -- muitos dizem que o termo chorinho é errôneo -- seja o gênero brasileiro mais sofisticado que há. sempre tive essa impressão, mas nunca pensei de forma clara. ouvindo algumas gravações antigas, principalmente desse tal "pixinguinha", anda difícil falar o contrário. um exemplo é a genial "lamento" que talvez seja o choro por excelência. se quiserem ver o talentoso saxofonista dando uma das suas na flauta baixem "urubu malandro".

sou muitas vezes avesso à sofisticação. gosto de coisas simples. mas é que esse choro bateu forte no meu coração.

historicamente, o choro se desenvolveu concomitantemente com o jazz americano. é diferente da bossa nova que teve influências fortes de um jazz já consolidado. o choro é primo do samba também. há o pandeiro lá marcando o ritmo e dando as suas. e há o cavaquinho mesmo que o bandolim e a flauta sejam os timbres mais comuns.

choro é legal. roubando de cartola: disfarça e chora.

p.s. num momento de total chapadez -- estava cheirando tinta que vinha dos subsolos do centro cultural -- percebi o quanto style é pixinguinha (vide foto). e a galera de hoje precisa de tatuagem e piercing... ê laiá! =)