segunda-feira, junho 14, 2004
 
:: os dias dos meus cansaços

assisi a um programa da cultura chamado café filosófico. não é dos melhores, mas como filosofia sempre me atraiu, não pude deixar de assistir à palestra da filósofa maria tiburi sobre a tristeza. gosto muito dessas questões conceituais e esse em especial me fez questionar alguns termos como melancolia, depressão, a própria tristeza e o inverso disso: a alegria, a felicidade e o bem estar.

ando um pouco desempolgado com as coisas. preciso de férias. faz tempo que eu não me sentia assim. normalmente, invento algo para me empolgar, porque a vida é basicamente isso: invenção e empolgação. pelo menos para mim. é meio esquisito não conseguir articular nada e não ter empolgação alguma. talvez seja um momente de análise, de questionamento das coisas que já fiz. é preciso um retiro, talvez, para organizar todas as idéias caóticas que tive durante esses anos. sei que não parece muito, mas os poucos que me acompanham com alguma aproximidade tem idéia por onde minha cabeça anda. talvez ela queira voltar para casa agora.

estou estruturando uma história mais longa que o usual. juntando os montes de esboços, rabiscos e estruturas, vejo-me numa encruzilhada. sei que todos esses pedaços podem ser uma coisa só e sei também que dizem algo que na época gostaria de dizer, algo a cerca de estilhaços e a imperfeição de repará-los, mas uma tentativa no fim alegre, talvez esperançosa. vejo tudo isso nessas folhas rabiscadas e posts antigos. mas não sei se é o momento de fazê-lo. quero muito ter um projeto de vida e me sinto bastante preparado para isso (muito por causa da enorme quantidade de material e não tanto pela empolgação). mas estou cansado. e esse cansaço me dá tristeza.

acho que esse post é meio inútil e estive quase para deletá-lo. mas talvez encarando-o assim, possa me dizer algo.