quinta-feira, outubro 06, 2005
 
:: Filosofia da Paixão, por Gilles Deleuze

"O amor é um estado e uma relação de pessoas, de sujeitos. 'Eu te amo' é uma delcaração com um contrato implícito entre partes. Se você ama quem te ama,isso fecha, isso basta. Mas a paixão é um acontecimento subpessoal que podedurar o tempo de uma vida ou o átimo de um olhar, é um campo de intensidadesque individua sem sujeito. A paixão é um campo de intensidades porque apartir dela não há ponderação, há apenas linhas de fuga descontroladas rumoa um destino que não é fato, mas apenas desejo intenso de realização. Apaixão escolhe o outro para além de qualquer debate entre partes e otransforma em objetivo e objeto de admiração. É subpessoal porque está paraalém de suas escolhas pessoais, racionais, se esgueira entre brechas quetentamos tapar com os frágeis dedos em uma parede de uma represa emvazamento. Essa paixão, o estado de paixão, talvez seja dobrar a linha dofora, torná-la vivível, saber respirar. Porque para estar apaixonado portoda uma vida, tem-se que respirar. Tem-se que estar vivo. Tem-se que saberver e ouvir para além do que se espera do mundo e do outro."